Indignação é a grande mola propulsora de toda mudança, diz Guilherme Afif

25 de Maio de 2018
Tamanho da fonte Zoom in Regular Zoom out

Os números da Operação Lava Jato são assombrosos. Segundo o Ministério Público Federal, é o maior escândalos financeiro e político já registrado no País. Maior que casos como o dos Anões do Orçamento, que os Fundos de Pensão, que os Vampiros da Saúde, que Zelotes, que Banestado ou Mensalão, só pra citar alguns exemplos.

Mas, em meio a tamanho gigantismo, um fato tem chamado a atenção. Não há registro de manifestações expressivas da população, desde 2013, quando se iniciou o movimento que acabou derrubando o governo passado e pode fazer o mesmo com o atual.

Em suma, não há povo na rua. E como explicar a ausência de grandes movimentos populares, apesar deste megaescândalo que chamou a atenção, também, do mundo?

Existe na filosofia um conceito que pode ajudar a entender este fenômeno. É o que se chama de “Normose”. Sua definição foi cunhada quase que simultaneamente pelo psicólogo e antropólogo brasileiro Roberto Crema e pelo filósofo, psicólogo e teólogo francês Jean-Ives Leloup, na década de 1980.

Eles vinham trabalhando o tema separadamente até que um terceiro psicólogo, o francês Pierre Weil, se deu conta da coincidência. Perplexo, Weil conectou os dois e os três juntos organizaram um simpósio sobre o tema em Brasília, uma década atrás. Do encontro, nasceu uma parceria e o livro “Normose: A patologia da normalidade”.

Por analogia, alguns estudiosos consideram a democracia um agente de propagação de normoses.

Carl Jung dizia que ser normal é a meta dos fracassados. Mas será que existe alguém batendo à nossa porta, exigindo que você tenha um determinado comportamento ou seja assim ou assado? Ou quem nos exige é uma coletividade abstrata que ganha presença através de modelos de comportamento amplamente divulgados?

No caso do Brasil, a normose pode estar travando uma evolução dos acontecimentos e impedindo que uma sociedade atônita seja a mola propulsora da mudança. Vou tentar traduzir melhor.

Como a Lava-jato já tem mais de 4 anos, faz tempo que deveríamos estar pensando, debatendo e promovendo uma saída para tamanha crise institucional, política e social. Se a causa de tal problema é o sistema político-partidário, o que colocaremos no lugar dele, se este se encontra completamente falido, desacreditado, ultrapassado?

O fato é que quase ninguém está cuidando disso. Talvez a resposta esteja neste torpor causado pela normose. Nas ruas, volta e meia ouço uma frase costumeira: “ah… sempre foi assim!“, ou “não adianta fazer nada!”, e pior “não vai dar em nada!”. Então, qual a saída?

Ela pode estar em outro neologismo: a “Desnormotização”. Segundo Crema, “...quando temos necessidade de, a todo custo, ser como os outros, não escutamos nossa própria vocação”. A cura da normose é trabalho individual, mas alguns esforços sociais podem ajudar.

Para começar, temos de pensar em alternativas aos atuais modelos, como o educacional. Algo similar parece estar acontecendo no mundo empresarial, onde os empreendimentos estão levando em conta a liberdade individual.

O caso clássico, sempre citado, é o do Google, cuja sede, na Califórnia, conta com salas de jogos, espaços ao ar livre e tempo reservado para que cada funcionário desenvolva seus próprios projetos para a empresa, com total autonomia.

Nós temos que resolver, inclusive, a questão do analfabetismo político que, segundo Bertold Brecht, é o pior analfabeto que existe. Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe que o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato, do remédio, e ressaltaria dos combustíveis, dependem das decisões políticas. Mas é capaz de atrasar a História.

O tema é tão polêmico e complexo que já há especialistas achando que a normose não é um mal, mas uma característica humana. Apesar disso tudo, não podemos deixar que o modo normótico predomine. Afinal, a indignação é a grande mola propulsora de toda mudança.

Fonte: Artigo de Guilherme Afif, Poder 360

Tags: ,

Deixe um comentário!