Diário de Bordo RSS

Simplificação é desafio para os municípios

25-04-2017

Brasília – O Sebrae vai atuar ao lado de todos os prefeitos e governadores para contribuir com a simplificação do país. O desafio foi proposto pelo presidente da instituição, Guilherme Afif Domingos, na abertura do IV Encontro dos Municípios com o Desenvolvimento Sustentável (EMDS), nesta terça-feira (25), no Estádio Nacional Mané Garrincha, em Brasília, que reúne gestores municipais de todas as regiões até a sexta-feira (28).

“Hoje, não tenho dúvidas, o Brasil está do lado complicado”, destacou Afif, ao fazer uma comparação sobre o que é simples e o que é complicado. “O que é simples é rápido, o que é complicado é lento; o que é simples beneficia milhões, o que é complicado prejudica milhões; o que é simples é unanimidade, até porque hoje ninguém é contra a simplificação de processos, o que é complicado é extremamente polêmico; o que é simples atrai, o que é complicado afasta”, disse o presidente do Sebrae, acrescentando que o grande desafio é a formalização simplificada como garantia de crescimento econômico.

Durante a abertura do EMDS, Afif destacou ainda a importância das micro e pequenas empresas no desenvolvimento local e regional. Segundo ele, é imprescindível que os gestores elaborem leis e ações que facilitem e incentivem o empreendedorismo no Brasil. “O Brasil de cima para baixo não deu certo. O que vai dar certo é o Brasil de baixo para cima. Não existe governo ruim para um povo organizado. Não podemos desprezar essa crise, ela tem que ser mobilizadora da sociedade”, ressaltou, lembrando que no primeiro trimestre deste ano apenas as micro e pequenas empresas apresentaram um saldo positivo de geração de empregos.

Para o presidente da Frente Nacional de Prefeitos (FNP), Márcio Lacerda, a proposta da entidade é disponibilizar para os gestores um espaço de debates e acesso a experiência. “No momento de restrições orçamentárias, impõe-se aos prefeitos a busca por ações inovadoras, a reinvenção do financiamento e da governança das cidades”.

Também participaram do evento o governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, e os ministros Dyogo Oliveira (Planejamento), Bruno Araújo (Cidades), Gilberto Kassab (Ciência e Tecnologia) e Ricardo Barros (Saúde).

O que é

O EMDS é considerado o maior evento de sustentabilidade urbana do país, e tem como objetivo discutir soluções para desenvolver a economia das cidades brasileiras, entre elas, o empreendedorismo. Nessa ano foi eleito como tema novas formas de financiamento e de governança das cidades. O Sebrae  é um dos realizadores do evento, em parceria com a Frente Nacional dos Prefeitos (FNP). A expectativa é que cerca de dez mil pessoas, entre elas mais de 500 prefeitos, participem dos quatro dias de atividades.

Fonte: Agência Sebrae de Notícias

Favela Legal incentivará empreendedorismo em comunidades

11-04-2017

Brasília – Os mais de 12 milhões de moradores das favelas brasileiras movimentam anualmente cerca de R$ 80 bilhões na compra de produtos e serviços, segundo dados de pesquisa do Data Popular. Para fomentar a economia nesta região, onde a maioria dos negócios é formada por empresas de micro e pequeno porte, o Sebrae vai lançar o Favela Legal. O projeto, que terá piloto em comunidades de São Paulo, vai identificar moradores com perfil empreendedor, incentivar a formalização de pequenos negócios já existentes e promover a capacitação empresarial nas regiões.

“Essas empresas geram emprego e renda, estão próximas da casa ou do trabalho das pessoas e ajudam a desenvolver a região, pois o dinheiro que circula fica no bairro”, ressalta o presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos. “O sonho do proletariado é ser pequeno burguês, ser o patrão de si mesmo”, acrescentou Afif, comentando levantamento da Fundação Perseu Abramo, que mostrou apoio do morador de áreas periféricas da capital paulista aos programas sociais. A pesquisa Percepções e Valores Políticos nas Periferias de São Paulo apontou que o paulista valoriza o esforço pessoal em vencer na vida.

Para lançar o Favela Legal, o Sebrae ouvirá entidades representativas das comunidades, entre elas, a Central Única das Favelas (CUFA). A ideia é utilizar os Agentes de Desenvolvimento, que poderão ser identificados na própria favela, para descobrir o perfil empreendedor dos moradores e incentivar a formalização dos negócios.

O Favela Legal também deverá promover a capacitação dos empresários locais, levando diretamente soluções do Sebrae, como os programas de qualificação do Microempreendedor Individual (MEI), entre eles o SEI Vender, SEI Controlar o Meu Dinheiro e SEI Planejar. A proposta deve adotar também nas comunidades o programa Super MEI, lançado em parceria com o Sebrae em São Paulo, que visa requalificar pessoas nas profissões que faltam no mercado, como encanador, eletricista, entre outras atividades, transformando-os em Microempreendedores Individuais.

Empresas legalizadas
Além de levar as soluções do Sebrae, o Favela Legal concentrará esforço na legalização dos negócios das comunidades. “Queremos desconectar a regularidade do imóvel da regularidade da empresa”, comentou Afif.

O projeto deve ainda aproveitar a base do programa Negócio a Negócio, que promove visitas de Agentes de Orientação Empresarial para diagnosticar melhorias na gestão de empresas. Com isso, os moradores das favelas poderão ser treinados como orientadores na formalização dos negócios.

Sonho empreendedor
Realizada pelo Data Popular em 2013, a pesquisa Empreendedorismo nas Favelas apontou que 4 em cada 10 moradores das comunidades brasileiras (3,8 milhões de pessoas) sonham em ter o próprio negócio. O desejo de ser patrão também é verificado na pesquisa GEM (Global Entrepreneurship Monitor), que mostra que abrir uma empresa está entre os quatro principais sonhos do brasileiro, deixando para trás a vontade de fazer carreira em uma instituição.

Fonte: Agência Sebrae de Notícias

Simples pode ser modelo para a reforma tributária no Brasil

06-04-2017

São Paulo – O presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos, afirmou nesta quinta-feira (6) que o Simples Nacional, destinado aos pequenos negócios e que unifica oito impostos em uma única guia de pagamento, é um modelo para a reforma tributária a ser implantada no País. “O Brasil precisa de um grande Simples, que vem funcionando com total êxito desde a sua implantação”, ressaltou Afif, durante reunião do Conselho Superior de Direito da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP), que debateu pontos da reforma tributária com o relator do projeto na Câmara Federal, deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR).

Afif apoia a proposta tributária que está em discussão no Congresso Nacional, mas defende que se estabeleçam prazos para as medidas entrarem em vigor e que elas sejam divididas em fases, reduzindo a resistência de setores como os governos estaduais. “O Samuel Klein (fundador da Casas Bahia) nos ensinou que à vista nem sempre é possível vender, mas a prazo sim. Não é uma questão de fatiar a reforma, mas ela pode ser dividida em fases, diminuindo as resistências”, detalhou.

O presidente do Sebrae ressaltou que, antes mesmo da votação da proposta de reforma tributária, medidas de simplificação já podem ser adotadas em curto prazo. Ele ressaltou que o Sebrae fechou uma parceria com o Governo Federal para criar uma série de sistemas com o objetivo de melhorar o ambiente de negócios, reduzir a burocracia e dar mais agilidade aos processos de gestão das micro e pequenas empresas. O convênio, no qual o Sebrae investirá R$ 200 milhões, permitirá a criação de dez sistemas que irão diminuir a complexidade e o tempo gasto no cumprimento das obrigações tributárias, previdenciárias, trabalhistas e de formalização. “Esses sistemas são um preparo para a simplificação que ocorrerá com a reforma tributária”.

Outro ponto destacado por Afif é o auxílio do Sebrae na elaboração das propostas para o projeto de reforma tributária. A instituição contratou a Fundação Getúlio Vargas (FGV) para elaborar estudos com sugestões que possam subsidiar o debate sobre a reforma. O Sebrae vai usar a sua experiência na simplificação para ajudar na elaboração das propostas.

“Fizeram do nosso sistema um verdadeiro manicômio tributário, que conspira contra o crescimento econômico”, disse o deputado Luiz Carlos Hauly. Ele destacou que o sistema, além disso, é regressivo, beneficiando que tem renda maior. “Quem ganha até dois salários mínimos, compromete 53,9% da sua renda com o pagamento de tributos. Já o índice de quem ganha até 30 salários mínimos é de 36,6%”, explicou.

O modelo proposto por Hauly contempla a extinção de tributos que vigoram hoje e a criação do Imposto de Valor Agregado (IVA) Nacional, acrescido do Imposto Seletivo Monofásico (ISM), que envolveria setores como energia elétrica, comunicações, veículos, cigarros e bebidas. A manutenção do Supersimples está contemplada nesta proposta.

Fonte: Agência Sebrae de Notícias

Sebrae realiza nova edição do Mutirão da Simplificação

05-04-2017

Brasília – O Sebrae e o Governo do Distrito Federal promovem, até o próximo dia 11, o Mutirão da Simplificação, na cidade de Planaltina, distante 43 km de Brasília. O evento, que teve sua primeira edição no ano passado, pretende incentivar a formalização e regularização de microempreendedores individuais (MEI) e de micro e pequenas empresas. Também é possível fazer capacitações, abrir uma empresa e pegar orientações.

O presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos, e o governador do DF, Rodrigo Rollemberg, participaram da abertura oficial do evento, na manhã desta quarta-feira (5). Também esteve presente o novo secretário de Economia e Desenvolvimento Sustentável do Distrito Federal e ex-superintendente do Sebrae local, Antônio Valdir Oliveira Filho.

Afif destacou que em Brasília já é possível abrir uma empresa em até cinco dias desde dezembro de 2015, quando foi implementada na capital do país a Redesimples, que é um sistema integrado de abertura e registro de empresas que facilita e agiliza o processo de formalização. De acordo com o presidente do Sebrae, Brasília tem servido de modelo para os estados brasileiros que querem diminuir o tempo de regularização, de abertura e de encerramento de empresas. “Venha para Brasília conhecer o modelo de regularização e simplificação de empresas. É nossa obrigação apoiar e incentivar. Não podemos atrapalhar os empreendedores com mais burocracia”, afirmou Afif.

O governador Rollemberg enfatizou que a ajuda do Sebrae foi essencial para a elaboração da lei da simplificação e que se sente orgulhoso em saber que Brasília tem sido uma referência nacional quando se trata de abertura de empresas. “O prefeito de São Paulo, João Dória, está adotando o modelo de Brasília de simplificação. Brasília tem sido uma referência de boas práticas de gestão pública”, ressaltou.

No local do evento, micro e pequenas empresas podem receber orientações sobre registro, licenciamento e fechamento de forma simplificada, utilizando o sistema RLE (Registro e Licenciamento de Empresas), com atendimento presencial e personalizado nas 15 baias que estão sendo montadas. Também estão sendo oferecidas oficinas, palestras, seminários, consultorias e clínicas.

Fonte: Agência Sebrae de Notícias

Pequenos negócios terão destaque em encontro de prefeitos

05-04-2017

Brasília – Entre os dias 24 e 28 de abril, cerca de dez mil participantes, entre eles mais de 500 prefeitos, estarão reunidos no estádio Mané Garrincha, em Brasília (DF), para participar do IV Encontro dos Municípios com o Desenvolvimento Sustentável (EMDS). O Sebrae é um dos realizadores do evento, em parceria com a Frente Nacional dos Prefeitos (FNP). Nesta terça-feira (4), o presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos, participou do pré-lançamento do evento e esteve reunido com o governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, o presidente da Frente, Márcio Lacerda, e outros representantes do setor na sede do Sebrae, em Brasília.

Durante o encontro, foram discutidas ações de apoio à realização do encontro, que de acordo com Afif, congrega as prefeituras das cidades mais importantes do Brasil. “O Sebrae tem como missão melhorar o ambiente de negócios. Quando olhamos os mais de cinco mil municípios brasileiros, identificamos que menos de 10% têm médias e grandes empresas. A grande maioria é de micro e pequenas, por isso somos parceiros da FNP desde o primeiro EMDS”, ressaltou o presidente do Sebrae.

O governador do DF destacou que o evento é uma oportunidade de integração entre as boas práticas a serem desenvolvidas pelas prefeituras das diversas cidades brasileiras. “Para Brasília é muito bom ser a sede desse encontro, do ponto de vista dessa vocação da cidade de ser um grande centro de eventos de caráter político, profissional, científico e cultural”, reforçou Rollemberg.

O EMDS é considerado o maior evento de sustentabilidade urbana do país e propõe uma pauta norteada a partir das demandas municipais, entre elas o empreendedorismo nos municípios. Desde que o encontro foi criado, em 2012, o Sebrae é um dos parceiros da Frente Nacional de Prefeitos na organização.

Fonte: Agência Sebrae de Notícias

Sebrae lança novo edital do Senhor Orientador

28-03-2017

Brasília – Aposentados da rede bancária terão nova chance para atuar pelo projeto Senhor Orientador, lançado pelo Sebrae no último dia 15. O novo edital, publicado nessa segunda-feira (27), vai preencher 221 vagas alocadas em todas as regiões do país. Os consultores credenciados reforçarão o time de orientadores para auxiliar os pequenos negócios no acesso ao crédito, com foco em linhas do Banco do Brasil voltadas especificamente para o segmento. As inscrições, que podem ser feitas no link http://migre.me/wklE4, estão abertas e encerram no dia 10 de abril.

O primeiro edital foi lançado em fevereiro, quando foram selecionados 310 consultores. Entre os pré-requisitos para participar, o interessado precisa ser aposentado; ter, no mínimo, 60 anos; e possuir, pelo menos, dez anos de experiência em análise de crédito e atendimento à pessoa jurídica. O processo de credenciamento terá três etapas: inscrição; habilitação e qualificação técnica; e treinamento e avaliação do uso da ferramenta operacional, plataforma que será utilizada no trabalho dos consultores.

A expectativa é que 37 mil micro e pequenas empresas sejam atendidas por esses consultores até o fim do ano. “Contaremos com esses profissionais experientes no mercado para avaliar a capacidade de endividamento das empresas e orientar os empresários na obtenção de capital de giro. Apoiar o pequeno negócio neste momento de retomada da economia é fundamental, mas deve ser feito de maneira consciente, com riscos calculados, minimizando a chance de inadimplência dessas empresas”, explica o presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos.

Bahia e Santa Catarina já preencheram as vagas previstas para os seus estados no edital anterior, por isso, não entram nessa nova seleção. As vagas estão assim divididas: Acre (8), Alagoas (5), Amazonas (12), Amapá (8), Ceará (12), Distrito Federal (8), Espírito Santo (5), Goiás (12), Maranhão (9), Minas Gerais (9), Mato Grosso do Sul (8), Mato Grosso (10), Pará (10), Paraíba (6), Pernambuco (8), Piauí (5), Paraná (9), Rio de Janeiro (17), Rio Grande do Norte (7), Rondônia (7), Roraima (8), Rio Grande do Sul (12), Sergipe (5), São Paulo (17), Tocantins (4).

Como funciona

O Senhor Orientador deu início à fase de operação do Programa Empreender Mais Simples: menos burocracia, mais crédito, convênio assinado em janeiro entre o Sebrae, o Governo Federal e o BB com o objetivo de simplificar a gestão de micro e pequenas empresas e orientar o financiamento a empresários. É prevista a liberação do montante total de R$ 8,8 bilhões para capital de giro pelo banco.

O empresário interessado em obter esse crédito deve procurar o Sebrae em seu estado. Ele será encaminhado a um dos consultores credenciados no Senhor Orientador para realizar diagnóstico da empresa e avaliar se o financiamento é a melhor solução para o negócio. A consultoria será presencial e remunerada, com duração de quatro horas. Cada consultor poderá atender até 200 empresas. Os selecionados firmarão contrato com o Sebrae até dezembro de 2018.

Fonte: Agência Sebrae de Notícias

Um centro de referência para a Educação Empreendedora

22-03-2017

Belo Horizonte – Empreendedores de todo o país já podem ter acesso a informações, ferramentas, estudos e material de orientação sobre empreendedorismo no site do Centro de Referência em Educação Empreendedora ou CER (www.cer.sebrae.com.br). O funcionamento dessa plataforma digital foi destaque durante a cerimônia de posse do Comitê Estratégico do CER e lançamento do SebraeLab, realizada em Belo Horizonte, na noite desta terça-feira (21/3).

O CER é um núcleo de captação, geração, gestão e disseminação do conhecimento associado aos temas Empreendedorismo e Educação Empreendedora. “Com esse site será possível levar a educação empreendedora aos empreendedores e educadores do país, de maneira simples e prática”, explica o presidente do Sebrae Nacional, Guilherme Afif Domingos.

Este é o terceiro Centro de Referência criado pelo Sebrae no país. Os outros dois estão instalados no Rio de Janeiro – voltado para o Artesanato – e em Cuiabá, dedicado à Sustentabilidade. “O Sebrae Minas vem trabalhando há anos na realização de projetos que fortalecem e propagam a cultura empreendedora. Nosso objetivo é criar novos modelos práticos, teóricos e inovadores para os pequenos negócios, em temas ligados ao empreendedorismo”, justifica o superintendente do Sebrae Minas, Afonso Maria Rocha.

O CER foi idealizado em 2014, pelo então presidente do Conselho do Sebrae Nacional, Roberto Simões, atual presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg). Durante a cerimônia, Simões foi homenageado pelas autoridades presentes. “Não foi por acaso que escolhemos Minas. O estado sempre se destacou nas primeiras posições em rankings de educação. Além disso, possui uma das maiores redes de universidades federais, boas faculdades particulares e centros de tecnologia”, justifica Simões.

No decorrer do evento, tomaram posse os 12 membros do Comitê Estratégico do CER, presidido pela diretora Técnica do Sebrae Nacional, Heloisa Menezes, com representantes do Sebrae em Minas, Mato Grosso do Sul, Distrito Federal, Acre, Pará, Pernambuco, Alagoas, Santa Catarina, Paraná, Espírito Santo e Rio de Janeiro. “Nosso principal desafio é transformar conhecimento, teorias e conceitos em ações práticas de educação empreendedora, não apenas para o Sebrae, mas para os governos e toda a sociedade”, diz a diretora do Sebrae Nacional.

Foco

Entre outras finalidades, o Centro de Referência vai ampliar parcerias estratégicas e ações de disseminação da Cultura Empreendedora, bem como divulgar a produção desse conhecimento em congressos, palestras, conferências e seminários, no Brasil e no exterior.

Na plataforma, estão disponíveis também estudos e mapeamentos do comportamento empreendedor, análises comparativas sobre o impacto da atitude empreendedora, pesquisas, artigos, textos técnicos, livros e estudos de caso, que serão compartilhados com instituições de ensino.

Fonte: Assessoria de Imprensa do Sebrae Minas

SebraeLab começa a funcionar em Belo Horizonte

22-03-2017

Belo Horizonte – A partir desta quarta-feira (22/3), empreendedores, empresários instituições, estudantes, startups e toda a comunidade da capital mineira terão acesso às atividades do SebraeLab, um novo espaço de experimentação e prática de gestão empreendedora, voltado para os pequenos negócios. A cerimônia de lançamento do projeto foi realizada ontem à noite (21/3) e contou com a presença de autoridades, representantes de entidades e pessoas ligadas ao setor de inovação.

Criado para ser um ambiente colaborativo e multifuncional, o SebraeLab vai permitir o desenvolvimento de ideias inovadoras e a remodelagem de negócios, gerando conexões que permitem vários níveis de colaboração e coparticipação. “É um espaço aberto para pessoas de todas as idades que tenham o espírito empreendedor. A ideia é unir visão estratégica e novas tecnologias, permitindo uma troca de conhecimento e experiências”, justifica o presidente do Sebrae Nacional, Guilherme Afif Domingos.

A estrutura física do SebraeLab está localizada na sede do Sebrae Minas, em Belo Horizonte. No local, novos empreendedores, donos de Micro e Pequenas Empresas (MPE) e Microempreendedores Individuais (MEI) poderão realizar testes de viabilidade, experimentar novas modelagens de negócios, ter acesso a ferramentas ágeis, repensar a atuação do negócio, fazer pesquisas de mercado e participar de capacitações.

“Vamos replicar esse modelo para todo o país, reafirmando nosso propósito de apoiar os pequenos negócios para que desempenhem o seu papel transformador e continuem gerando oportunidades de trabalho, renda e prosperidade”, garante o Superintendente do Sebrae Minas, Afonso Maria Rocha.

A estrutura do SebraeLab também foi pensada para apoiar as startups, com capacitações em diversas áreas, permitindo que desenvolvam ideias e compartilhem soluções com outras empresas do segmento. “Projetos como este possibilitam uma maior aproximação da tecnologia e da informação com a sociedade, além de estimularem a inovação e fortalecerem as startups”, afirma o secretário de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de Minas Gerais, Miguel Corrêa.

Os interessados em participar do SebraeLab poderão se inscrever no site www.sebraelab.sebrae.com.br para atividades como palestras, mentorias e consultorias. Também haverá inscrições para coworking, jogos empresariais e eventos. Além disso, conteúdos gratuitos ligados ao empreendedorismo e às micro e pequenas empresas serão disponibilizados gratuitamente para download.

SebraeLab

Funcionamento: de segunda a sexta-feira, das 9h às 18h

Sebrae Minas – Avenida Barão Homem de Melo, 329 – Nova Granada

Belo Horizonte/MG

Inscrições e informações: www.sebraelab.sebrae.com.br

Fonte: Assessoria de Imprensa do Sebrae Minas

Startups terão R$53,6 milhões do Senai, do Sebrae e do Sesi

22-03-2017

Projetos inovadores terão incentivo de mais de R$ 53,6 milhões neste ano para serem desenvolvidos e chegarem ao mercado. A partir desta segunda-feira (20), o novo Edital de Inovação para a Indústria, antes conhecido como Edital SENAI SESI de Inovação, começa a receber inscrições de empresas de todos os portes e startups interessadas em financiar ideias de produtos e processos inovadores.

O lançamento da iniciativa foi feito pelo presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, e pelo presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos, na sexta-feira (17), durante reunião da Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI), grupo coordenado pela CNI que reúne executivos das 200 maiores empresas brasileiras.

Criado em 2004, o Edital SENAI SESI de Inovação mudou de nome este ano com a parceria do Sebrae, o que vai permitir atender uma fatia ainda maior das demandas da indústria por ideias inovadoras. Duas novas categorias foram criadas: Inovação Tecnológica para Micro e Pequenas Empresas Industriais, MEI e Startups e Empreendedorismo Industrial. O objetivo é incentivar a conexão entre grandes empresas e startups de base tecnológica e o investimento em inovação nos micro e pequenos negócios.

Destinado a promover a cultura de inovação e aumentar a produtividade das indústrias, o Edital conta com investimento de R$ 30 milhões do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), R$ 20 milhões do Sebrae e R$ 3,6 milhões do Serviço Social da Indústria (SESI). Neste ano, a meta é financiar 285 projetos com custo individual de R$ 75 mil a R$ 400 mil.

“Investir em inovação é um caminho para a indústria se tornar mais competitiva e sair fortalecida deste momento de dificuldades econômicas. Com novos parceiros e maior volume de recursos, o novo Edital de Inovação da Indústria será instrumento decisivo no fomento à inovação no Brasil”, afirma o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade.

“O estímulo à conexão entre grandes indústrias e criativos empreendedores de startups também é iniciativa que vai oxigenar o ambiente de negócios brasileiro. Ganham as empresas já estabelecidas, que aprendem a inovar não apenas em tecnologia como em modelos de negócios, e ganham as startups, que se inserem em cadeias produtivas que podem determinar seu sucesso”, completa.

A expectativa é beneficiar, já em 2017, projetos de inovação oriundos de 150 a 200 pequenos negócios. Segundo o presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos, a iniciativa tem o objetivo de estimular as pequenas indústrias e micro e pequenas empresas de base tecnológica a apresentarem projetos inovadores com aplicação na indústria.

“A inovação é fundamental para o desenvolvimento dos pequenos negócios, que hoje representam um universo de 98% das empresas brasileiras. A entrada do Sebrae neste Edital vai permitir a integração das MPE à lógica das grandes empresas, gerando oportunidades e novos negócios.  As categorias do edital inovação tecnológica e empreendedorismo digital irão conectar jovens empreendedores a empresas já estabelecidas”, afirma Afif.

 Os projetos serão selecionados em três ciclos com base em critérios como potencial de inovação e de comercialização do produto ou do processo. Toda e qualquer empresa do setor industrial e startups de base tecnológica podem inscrever propostas no site www.editaldeinovacao.com.br nas seguintes categorias:

A)  Inovação Tecnológica para Grandes e Médias Empresas: projetos de até R$ 400 mil apresentados por empresas industriais desses portes de todos os segmentos. O objetivo é o desenvolvimento tecnológico para transformar ideias em inovação em fato; validação de conceitos, plantas-piloto, melhorias de desempenho, testes em geral, acreditação, utilização de técnicas para produção em escala etc.

B)   Inovação Tecnológica para Micro e Pequenas Empresas Industriais e Startups: projetos de até R$ 400 mil apresentados por empresas industriais desses portes de todos os segmentos. O objetivo é o desenvolvimento tecnológico e demais necessidades para transformar ideias em inovação em fato, colocando os produtos e processos inovadores no mercado. São feitos validação de conceitos, plantas-piloto, melhorias de desempenho, testes em geral, acreditação, utilização de técnicas para produção em escala etc.

C)  Empreendedorismo Industrial: instituições âncoras (grandes empresas, investidores e parceiros) apresentam desafios a serem solucionados por interessados (startups de base tecnológica e micro e pequenas empresas). Entre as soluções apresentadas, a instituição âncora escolherá com qual empresa quer trabalhar. Cada projeto recebe investimento de até R$ 400 mil.

D)  Inovação em Saúde e Segurança do Trabalho e Promoção da Saúde: desenvolvimento de adaptações ou customizações de novas tecnologias, serviços inovadores, soluções nos processos e produtos aplicados às demandas industriais. Os projetos serão realizados durante 18 meses, com investimento máximo de R$ 150 mil por proposta.

E)  Inovação Setorial em Segurança e Saúde no Trabalho e Promoção da Saúde (para indústrias de construção, frigorífico e mineração): desenvolvimento de novas tecnologias, serviços inovadores, soluções nos processos e produtos aplicados às indústrias prioritárias. Inclui temas como higiene ocupacional, ergonomia, gestão de fatores psicossociais, do absenteísmo e retorno ao trabalho, longevidade, métricas para a saúde, entre outros. Os projetos serão realizados durante 18 meses, com investimento máximo de R$ 300 mil por proposta.

F) Empreendedorismo Industrial em Segurança e Saúde do Trabalho e Promoção da Saúde: desenvolvimento de aplicativos ou ferramentas tecnológicas de soluções para segurança e saúde do trabalho e promoção da saúde do trabalhador. Os projetos serão realizados durante 12 meses, com investimento máximo de R$ 75 mil por proposta.

Desde a primeira edição, o Edital de Inovação já mobilizou R$ 380 milhões em aproximadamente 700 projetos inovadores de 600 empresas. Entre os selecionados, 76% foram apresentados por pequenas empresas e startups de base tecnológica.  O edital prevê um bônus de 100 pontos para as seguintes startups inovadoras:

– Formadas a partir de projetos finalistas do INOVA SENAI Nacional a partir de 2015;
– Finalistas da fase 3 do programa Inovativa Brasil do MDIC a partir de 2014;
– Apoiadas pelo programa Startup Brasil do MCTI a partir de 2016;
– Finalistas das edições do Lemonade a partir de 2016;
– Vencedoras do ITA Challenge a partir de 2016;
– Selecionadas pelo SENAI no Open 100 Startups a partir de 2016;
– Selecionadas pelo programa Startup Farm a partir de 2016
– Selecionadas por programas de Aceleração ou Incubação do Sistema Indústria
– Vencedoras do prêmio de Inovação da AHK
– Empresas participantes do Programa Agentes Locais de Inovação;
– Empresas participantes do Programa Encadeamento Produtivo do SEBRAE;
– Empresas atendidas pelo Sebrae na carteira de startups Sebrae Like a Boss;
– Empresas atendidas pelo Sebrae em Projetos de Alto Impacto ou Scale Up;
– Empresas finalistas do Programa Inovativa;
– Empresas instaladas ou graduadas em Parques Tecnológicos, aceleradoras ou incubadoras de empresas.

Em 2016, o Edital recebeu 886 propostas e investiu R$ 23,5 milhões em 73 projetos aprovados nas três seleções. Da lista de projetos aprovados, 33 foram apresentados por startups, 18 por pequenas, 11 por médias e 11 por grandes empresas.

A agência de inovação sueca Vinnova, a aceleradora de empresas Techmall S.A e a Fundepar, gestora de um programa de investimentos para firmas emergentes, já apresentaram desafios específicos solucionados por jovens empresas e startups.

Além do fomento, o SENAI e o SESI oferecem apoio na forma de infraestrutura. Uma rede nacional com 25 Institutos de Inovação realiza pesquisa tecnológica e desenvolve novos produtos e soluções diretamente com empresas de todos os portes.

O SENAI conta ainda com 57 Institutos de Tecnologia com 1,2 mil especialistas que prestam serviços em áreas como metrologia, testes de qualidade, consultoria em processos produtivos específicos de diferentes setores, entre outros. Parcerias com Institutos de Ciência e Tecnologia, a maioria presentes em universidades públicas, também ajudam a concretizar as ideias selecionadas.

Serviço:

Período de submissão das categorias A e B:

De 20 de março a 6 de novembro de 2017, empresas interessadas no financiamento podem apresentar propostas.

Anúncio das seleções das categorias A e B:

Os resultados são apresentados em três datas: 24 de julho e 6 de novembro de 2017 e 19 de fevereiro de 2018

Apresentação de desafios por instituições-âncora na categoria C:

De 20 de março de 2017 a 27 de janeiro de 2018 no endereço www.editaldeinovacao.com.br. Os selecionados são anunciados ao longo do ano.

Período de submissão das categorias D, E e F:

De 20 de março a 23 de agosto de 2017, empresas interessadas no financiamento podem apresentar propostas.

Anúncio das seleções das categorias D, E:

Os resultados são apresentados em 16 de novembro e 5 de fevereiro de 2017

Anúncio das seleções da categoria F:

Os resultados são apresentados em 1º de julho e 5 de outubro de 2017

Fonte: Pequenas Empresas Grandes Negócios

Pequenos negócios são responsáveis pela geração de empregos

17-03-2017

Brasília – As micro e pequenas empresas foram as responsáveis pelo saldo positivo das vagas de emprego, em fevereiro. Elas contrataram no período cerca de 54 mil pessoas com carteira assinada, enquanto que as médias e grandes empresas tiveram um saldo negativo de 26,6 mil. A administração pública também apresentou um saldo positivo de 8,3 mil novos servidores.

Os dados são do levantamento feito mensalmente pelo Sebrae com base nos números do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho. Esse é o segundo mês consecutivo de saldo positivo de contratações nos pequenos negócios. Em janeiro, as micro e pequenas empresas tinham aumentado seu quadro de funcionários em 27,3 mil pessoas. No acumulado do ano, já são 81,3 mil novas contratações.

“Em fevereiro foram contratadas quase o dobro de pessoas do que em janeiro. As micro e pequenas empresas estão sendo as responsáveis pela geração de empregos este ano, o que é um bom sinal, mas ainda é muito cedo para se falar em retomada do crescimento. Começamos 2017 com o pé direito”, afirma o presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos. No mesmo período de 2016, esse segmento tinha apresentado um saldo negativo de geração de empregos de 19,4 mil.

As micro e pequenas empresas do setor de Serviços foram as que mais criaram empregos no último mês. Foram assinadas 44 mil carteiras de trabalho. “O ramo da educação foi o grande responsável. Eles criaram 20,7 mil novos postos de trabalho. Quase metade dos empregos gerados pelo setor”, alerta Afif.  Os pequenos negócios da indústria de transformação também registram saldo positivo de geração de empregos, sendo responsáveis pela criação de quase 10 mil vagas. Na Indústria sobressaíram-se as indústrias de calçados e têxteis.

Liderou o ranking de geração de empregos em fevereiro o estado de São Paulo, que gerou 20,2 mil empregos, seguido por Minas Gerais, com 8,2 mil. Todas as regiões do país apresentaram saldo positivo de empregos, destacando-se a região Sudeste, com criação de 26,2 mil postos de trabalho, seguida pela região Sul, com 14,5 mil. A região Nordeste foi a que registrou o menor saldo de empregos gerados no segundo mês deste ano: 1,3 mil.

Fonte: Agência Sebrae de Notícias